Eteit - Escola Técnica Univale

Técnico de Enfermagem precisa de habilidades técnicas e emocionais para prosperar em um mercado competitivo

Mesmo com um mercado competitivo para técnicos em Enfermagem, as oportunidades são excelentes para profissionais com habilidades técnicas e emocionais, e que permanecem em busca de novos conhecimentos para se aperfeiçoar. É o que revela a coordenadora do curso Técnico em Enfermagem da Eteit, Edivânia Ribeiro. A aprovação do Piso Nacional da Enfermagem, acrescenta ela, deve tornar a profissão ainda mais atrativa.

O número de técnicos atuando na área é superior ao de profissionais com curso superior de Enfermagem, segundo estudo realizado na década passada pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), por iniciativa do Conselho Federal de Enfermagem (Cofen). À época, a pesquisa constatou que, dentro de um universo de 1,6 milhão de profissionais atuando no Brasil, 80% eram técnicos, e somente 20% enfermeiros.

A coordenadora do curso técnico da Eteit ressalta que são grandes as possibilidades de trabalho na área, do serviço de urgência e emergência à atuação em clínicas, passando ainda pelo cuidado de pacientes em sistema home care, com atendimento domiciliar.

“Mesmo com um grande número de técnicos, o técnico em Enfermagem não fica sem trabalho. Principalmente o técnico com a característica de comprometimento, o técnico que continua estudando e não fica só na formação inicial. É dessa forma que ele vai se destacar nesse mercado competitivo”, afirmou.

Perfil profissional do técnico em Enfermagem

O perfil do técnico em Enfermagem exigido atualmente pelo mercado de trabalho, salienta Edivânia, é o de um profissional com habilidades técnicas e segurança em realizá-las, mas que também consiga administrar emoções no acolhimento ao paciente.

“A habilidade técnica e as habilidades emocionais do técnico em Enfermagem são muito valorizadas pelo empregador. Muitas das vezes o profissional é habilidoso, mas não sabe tratar o outro, não sabe acolher o paciente. E esse é realmente o diferencial do técnico em Enfermagem, o acolhimento associado à habilidade técnica do profissional”, enfatizou.

Outro grande diferencial apontado pela coordenadora é o da busca pelo aperfeiçoamento. Mesmo com a predominância do aspecto prático no cotidiano da profissão, Edivânia frisa que é importante se manter atualizado e buscar novos conhecimentos. “Hoje em dia tem várias especializações que o técnico pode fazer. Se ele tem interesse e comprometimento, ele nunca vai ficar sem emprego, porque ele vai continuar estudando e se especializar”, disse.

Piso Nacional

A aprovação do Piso Nacional da Enfermagem, de R$ 4.750 para enfermeiros com formação superior (e 70% desse valor para técnicos, além de 50% para auxiliares e parteiras), ainda depende da sanção presidencial do Projeto de Lei 2564/20, já aprovado no Congresso. A implementação do piso, para Edivânia, tornará a carreira mais atrativa, o que pode levar ao aumento de interessados em fazer um curso técnico na área.

“Hoje, a realidade da Enfermagem é que o profissional técnico ou enfermeiro precisa de mais de um emprego para custear suas despesas e ter uma renda melhor. Com esse novo piso salarial, isso vai ter uma redução. O profissional vai trabalhar mais descansado, porque não vai precisar sair de um emprego e ir direto para o outro”, avaliou. A Eteit está com matrículas abertas para a nova turma do curso Técnico em Enfermagem, que terá início das aulas no dia 3 de agosto. Outras informações estão disponíveis na página do curso, clicando aqui.

Continue sua leitura

Converse com
nossa equipe
magnifiercrossmenuchevron-down
Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support